textos

Eita, 2018!

14/01/2018

2018… o ano começou sem meu tradicional texto de reflexão do ano passado. A verdade, nua e crua, é que eu estava desanimada e ainda estou. 2018 começou faz 15 dias e parece que virou minha vida de cabeça para baixo.

Sempre amei sentar e me dedicar aos meus textos. Sempre achei que iria fazer isso pro resto de minha vida, sem nunca cansar, afinal, é só isso que me vejo fazendo da vida, do tipo, não conseguir pensar em outra profissão seguir.

Mas, 2017 me mostrou que posso ser mais do que meia dúzia de palavras jogadas num texto existencial. Consegui descobrir que posso captar imagens, transformar momentos em memórias e que isso alimenta minha alma. Descobri que posso falar o que penso sem medo, que existem pessoas que vão me ouvir e apoiar (mas também existem aquelas que vão te criticar, independente do que faça). Num balanço geral, 2017 foi um ano de altos e baixos que mexeram comigo de uma forma assustadora – tanto para o bem, quanto para o mal.

Depois de me estabelecer, me reencontrar e ficar de boa, de férias e tranquila pro ano que estava vindo – afinal 2018 será um ano de mudanças -, percebi, então, que o ano vindouro não seria tão mar de rosas assim.

Comecei o ano, logo em seu 3º dia tendo uma crise de ansiedade, algo terrivelmente sufocante, arrasador. Aperto no peito, sentimentos bagunçados e muita, mas muita confusão, que surgem e passam, como se nada tivesse acontecido.

No quarto dia do ano, recebi a notícia de que nosso orçamento ficaria mais apertado do que o costume, e que nossos planos pro apê, talvez, vão atrasar um pouco.

Percebi que financiar um apartamento é uma alegria e uma tristeza. Alegria pois me livrei do aluguel e tenho um imóvel próprio com menos de 30… mas tristeza porque é conta que não para mais de vir.

Mas caiu a ficha que no fim do ano, estarei de mudança (que assim seja), que começarei uma nova etapa da minha vida com o homem que escolhi para ser, em modo geral, meu marido. Alguém que está sempre ali para me dar apoio e que sonha em ter um pug gordinho para passear aos domingos. Definitivamente, dando um passo adiante para o futuro.

E a vida adulta tem sido isso. Trabalhar, recomeçar, pagar, planejar. E foi nessa rotina que me perdi dos meus sonhos, das minhas vontades e da escrita. Hoje, às 16h56 da tarde, depois de faxinar o quarto e começar a arrumar as coisas para uma nova semana rotineira, me deu uma vontade de sentar aqui e escrever tudo o que tinha vontade de falar há meses, mas nada saia, nem em vídeo, nem escrito, nem em palavras. Afinal, esse espaço começou assim, há quase 9 anos atrás, uma garota do interior que tinha vontade de viajar o mundo, falando meus sonhos e vontades. Eu precisava me sentir mais próxima de mim mesma, organizar as ideias e os novos planos para esse ano.

Devo adiantar que 2018 só tá começando, mesmo. E que, se tudo der certo, logo tudo se ajeita, se encaixa e volta ao normal – e espero eu, com todas as novidades que preparei para esse ano!

 

Foto via Unsplash

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply